sábado, 24 de novembro de 2007

Qual o significado do nome Lenhador?

Lenhador é uma referência a Skip James e a todos os bluesmans que fizeram história. Depois de gravar algumas músicas pra Paramount, Skip James voltou-se para a Igreja. Nos anos 50 abandonou também a música religiosa e pegou no pesado: foi lenhador, dirigiu um trator e voltou a trabalhar em plantações. Depois de algum tempo Skip James foi redescoberto e tocou publicamente inúmeras vezes até sua morte em 1969.

Biografia de Skip James
(Por Helton Ribeiro, revista Blues'n'Jazz)

Nome Verdadeiro: Nehemiah Curtis James
Nascimento: 09/06/1902 (Bentonia, Mississipi)
Morte: 03/10/1969 (Filadélfia, Pensilvânia)

Discos Recomendados: Early Recordings (Biograph) e Blues from the Delta (Vanguard), ambos importados.

Na pequena cidade de Bentonia, no Delta do Mississipi, surgiu um estilo particular de blues rural, que ficou conhecido como Bentonia blues. Skip James foi o mais brilhante de seus poucos representantes, frequentemente apontado como pai do estilo (e um dos grandes pioneiros do Delta blues).

A influência do cantor, guitarrista e pianista foi marcante sobre Robert Johnson (acredita-se que 22-20 blues, registrada no nome deste, era na verdade de James), Eric Clapton (que transformou I’m so glad em um dos maiores sucessos do Cream), Canned Heat (cujo guitarrista Henry Vestine foi um dos responsáveis pela redescoberta de James nos anos 60), R.L. Burnside (que gravou recentemente uma versão assustadora de Hard times killing floor blues) e André Christovam, cuja regravação da mesma música é um dos pontos altos do disco The 2120 Sessions.

As características do tal Bentonia blues estão todas em Skip James: as incomuns afinações do violão em tons menores, o fantasmagórico canto em falsete e letras soturnas como as de Hard times (trilha sonora da grande depressão dos anos 30), Everybody leaving here (sobre o êxodo em massa dos negros do sul em busca de uma vida melhor nos estados do norte) e Devil got my woman (“Eu preferiria ser o demônio/ Do que ser o homem daquela mulher”).

James não foi propriamente o criador do estilo, mas foi ele que o lapidou e lhe deu feições definitivas. Filho de agricultores pobres, começou a aprender guitarra aos oito anos e dedicou-se ao piano na escola. Ainda adolescente, foi organista de uma igreja, mas tornou-se pupilo do guitarrista Henry Stuckey e passou a viajar pelas cidades próximas acompanhando-o. Stuckey, que não chegou a gravar, tinha servido na França durante a Primeira Guerra Mundial. Lá, conheceu soldados das Bahamas, que tocavam violão usando uma estranha afinação. Stuckey incorporou essa afinação ao blues e ensinou-a ao jovem James.

Seguindo a tradição religiosa familiar (o pai era um pastor renomado na região), James estudou teologia no seminário de Yazoo e passou os anos 20 servindo a dois senhores, a Igreja e o blues pagão. Em 31, descoberto por um caçador de talentos, gravou 26 músicas para a Paramount, em Grafton (Wisconsin), das quais 18 foram lançadas. Ganhou apenas U$ 40, quando a maioria dos bluesmen na época recebia cerca de U$ 20 por cada música. Os discos venderam pouquíssimo, embora essas gravações continuem rendendo dinheiro até hoje.

Desiludido, voltou-se para a Igreja, formando um grupo gospel e ordenando-se pastor batista (em 32) e depois metodista (em 46). Nos anos 50 abandonou também a música religiosa e pegou no pesado: foi lenhador, dirigiu um trator e voltou a trabalhar em plantações.


Skip James - Crow Jane


Skip James - Devil Got My Woman

6 comentários:

João Carlos disse...

Magnifico seu trabalho no BLOG... parabéns, meu caro!! ainda bem que temos gente desse nível para a divulgação desse Gênero musical que encanta!!

Bárbara disse...

Adorei teu Blog, muito bom mesmo, add ele no meu.:)
Comecei agora, se puder, add o meu ai.
Bjo
Parabens

sodbabaum disse...

Skip james é demais! blues puro, demais mesmo :) que bom que agora com a difusão da internet podemos conhecer o trabalho destes gênios antes totalmente desconhecidos, muito obrigado ao Lenhador :)

Rafael Frizzo disse...

Simplesmente, obrigado.
Obrigado por difundir o "blues" de Skip James, que ao lado de John Hurt fizeram as canções mais tranquilizantes e harmônicas que já ouvi. E parabéns por seu trabalho de grande dedicação, caro Lenhador. Saudações de alma.

Anônimo disse...

If you could e-mail me with a few suggestions on just how you made your blog look this excellent, I would be grateful.

Paulinha disse...

O que dizer?
Sensacional......
parabéns pelo blog.....
Simplesmente amei...muito inteligente :-)